PALAVRA - FIGURA

Nancy Betts

Palavra - Figura

in catálogo da exposição Palavra - Figura, Paço das Artes, nov/dez 2001, SP

Da série Comandos, o trabalho Mantenha Distância  apresenta um estado de ser autoritário, impessoal, imparcial e objetivo. Esse efeito de sentido é construído na percepção de um texto que se mostra rápido, cortante, duro, seco e frio, qualidades  da expressão que afetam  sensivelmente quem se confronta com tal barreira. A forma horizontal e longa tem a competência de impedir o avanço. Intimida.
Encontramos frequentemente no nosso cotidiano esse tipo de mensagem e, como nos conformamos a regras sociais e culturais, assim como a avisos que nos resguardam de perigos, acabamos por desviar ( inclusive a atenção) sem questionar. Nesta situação cumpre uma função prática, de uso. Mas, para que serve um comando quando ele perde o sentido? Pendurado na parede, num contexto alheio a que se destina e, duplicado, o objeto produz um efeito estranho, uma incoerência. O estranhamento  é um agente provocador de fazer ter atenção, observar com maior cuidado. As linhas brancas e pretas, nos pólos opostos da não-cor, colocadas em diagonal convergem no centro e apontam para o intervalo das palavras acima. É o lugar da fenda, esta área neutra - cinza - que nos permite penetrar no trabalho e transgredir a ordem desconstruindo, velando, e criando novas configurações. As letras transformam-se em grafias - grafite, desenhos, tom, sons, notas.
E o duplo? Com o objeto multiplicado Furlong articula um jogo lúdico ao mesmo tempo que assegura o prazer e a segurança de se poder transitar entre a alteração e a manutenção da ordem.

 

Nancy Betts, 2001.

Texto para o catálogo da exposição  Palavra - Figura no Paço das Artes.

2010 - presente
2010 - presente